Novidades no caso Marielle: novas pistas aproximam polícia do Rio de assassinos

Novidades no caso Marielle: novas pistas aproximam polícia do Rio de assassinos

Segundo o delegado, o carro foi periciado pela Polícia Civil do RJ, mas, por ainda estar em fase de investigação, permanecerá apreendido.

Neste sábado (17), mais um passo importante rumo aos bandidos foi dado.

O delegado Alexandrino Rosa de Souza informou que chegaram até o carro por meio do Disque Denúncia.

A vereadora Marielle Franco, de 38 anos, foi morta na noite de quarta-feira da semana passada, dia 14, na zona norte do Rio.

As informações têm como base imagens conseguidas pela Polícia Civil do Rio de Janeiro de câmeras ao longo da Avenida Salvador de Sá, às 21h12 de quarta-feira.

O veículo tem características semelhantes - como cor e modelo - ao que foi usado no crime.

Para agravar a situação, o dono do carro realmente mora em Ubá e tem passagens pela polícia por tráfico de drogas.

Também ao Fantástico, a companheira de Marielle, Mônica Benício, disse que recebeu uma mensagem da vereadora após o encontro perguntando se precisava de algo da rua. O nome do proprietário não foi divulgado.

"Esses imbecis, togados ou não, estão tentando matar a Marielle de novo, mas não vão conseguir", afirmou.

A TV Globo obteve novas imagens do veículo branco onde estava Marielle, antes da execução. Imagens do momento em que Marielle saía do encontro mostram que o carro onde estava a vereadora foi seguido por outros dois automóveis. As imagens se tornam importantes pistas sobre o caso. Até agora as primeiras informações sobre as investigações apontam para crime premeditado.

A manifestação de hoje, onde a consternação e a cólera conviveram, foi a última de numerosas mobilizações que têm decorrido no Brasil na sequência deste assassinato, que muitos definem como uma execução e que está a agitar o país, quando foi revelado que o crime terá sido cometido com munições utilizadas pela polícia.