Viajantes devem tomar vacina contra a febre amarela

Viajantes devem tomar vacina contra a febre amarela

Para poder receber a dose padrão, os viajantes deverão apresentar o comprovante da viagem no posto de vacinação.

A Anvisa alerta que não será emitido, "em hipótese alguma", o certificado internacional a quem apresentar o comprovante de vacinação fracionada.

Quem for viajar a países que exijam o certificado internacional de vacinação contra a febre amarela, emitido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), deve tomar a vacina padrão, mesmo que tenha tomado a dose fracionada. A lista com os países que exigem o Certificado está disponível no site da Organização Mundial de Saúde.

A Anvisa também ressalta que as vacinas têm um período para atingir a proteção esperada, que pode variar entre dez dias e seis semanas. A vacinação fracionada será adotada nos estados do Rio de Janeiro, de São Paulo e da Bahia. Por isso, a agência aconselha que os viajantes vacinem-se com antecedência.

A vacinação de rotina continua da mesma forma, conforme orientação do Ministério da Saúde, nas demais áreas do país: dose única não fracionada para indivíduos que vivem nas áreas de recomendação da vacina e que nunca tomaram a vacina ao longo da vida e viajantes internacionais que irão para as áreas nas quais se exige comprovação vacinal.

As vacinas fracionadas foram lançadas pelo Ministério da Saúde na última terça (9) com o intuito de aumentar o número de doses aplicadas no país e impedir o avanço da doença. O reforço foi acertado num telefonema nesta sexta-feira entre o ministro Ricardo Barros e o governador Geraldo Alckmin, diante do crescimento expressivo da demanda.

Atualmente, o ministério utiliza a dose padrão da vacina contra a febre amarela com 0,5 mL.

Segundo especialistas, não há diferença de eficácia entre a vacina fracionada e a integral.

Com fracionamento, um frasco com 5 doses da vacina de febre amarela pode vacinar 25 pessoas.