Petróleo fecha em alta, retomando rali visto na semana passada

Petróleo fecha em alta, retomando rali visto na semana passada

O barril de Brent, que chegou a cotar-se abaixo dos 30 dólares há dois anos, não superava os 70 dólares por barril durante uma sessão em Londres desde 4 de dezembro de 2014, segundo dados recolhidos pela agência noticiosa Efe.

Uma queda das reservas norte-americanas maior do que a esperada pelos analistas impulsionou pelo terceiro dia consecutivo o preço do Brent.

"Estamos em um ambiente no qual os produtores da Opep e a Rússia reduziram sua oferta e os estoques caíram". O barril do WTI avançou 0,36%, cotado a US$ 63,80. Há pouco, o barril recuava 0,38%, cotado a US$ 69,00. O documento também vê uma aceleração na produção dos EUA para 10,3 milhões de barris por dia em média neste ano.

Investidores também esperam para ver se o presidente americano, Donald Trump, irá ampliar o alívio de sanções contra o Irã nesta quarta-feira, como parte do acordo de 2015 para conter o programa nuclear iraniano.

Na semana passada, os preços do petróleo atingiram os maiores valores em quase três anos em meio a protestos contra o governo do Irã, à queda nos estoques da commodity nos EUA e inverno rigoroso nos Estados Unidos.

O petróleo do mar do Norte, de referência na Europa, terminou a sessão no International Exchange Futures com um acréscimo de 0,38 dólares face à última negociação, quando fechou a 68,82 dólares, e bate o segundo recorde consecutivo desde 2014. "Mas os participantes do mercado também podem usar a forte queda na produção como uma desculpa para comprar", afirmou Fritsch. A redução foi maior do que os 3,5 milhões de barris antecipados pelos analistas previamente. Entretanto, há a preocupação de que o nível de produção de petróleo de xisto betuminoso nos Estados Unidos acabe atrapalhando essa estratégia.