Rebaixamento pode ajudar na votação, diz Maia

Rebaixamento pode ajudar na votação, diz Maia

Maia começou a se movimentar para se viabilizar como candidato ao Palácio do Planalto.

Maia disse ser "uma pena" a posição de Meirelles e classificou o posicionamento do ministro como "resposta de um candidato", numa alfinetada à pretensão de Meirelles em vir a se candidatar à Presidência.

Além da conclusão da reforma, que atualmente aguarda votação no plenário da Câmara dos Deputados, o presidente disse que vai "continuar com as medidas que tomamos para recuperar o País, não só no Congresso, mas também por decisões administrativas".

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), informou, em sua página oficial no Twitter, que se reuniu com o PR na manhã desta quinta-feira (11), com o objetivo, segundo ele, de ampliar o apoio a reforma da Previdência. Maia e Meirelles divergiram publicamente sobre a "regra de ouro", que impede endividamento acima do volume de investimento pela União.

PR e PSD são os partidos do chamado "centrão" que mais resistem à aprovação da reforma da Previdência.

"O almoço será com o governador Colombo, em Florianópolis".

"Hoje, agenda da reforma da Previdência". "O governo reforça seu compromisso em aprovar medidas como a reforma da Previdência, tributação de fundos exclusivos, reoneração da folha de pagamentos, adiamento do reajuste dos servidores públicos, entre outras iniciativas que concorrem para garantir o crescimento sustentável da economia brasileira e o equilíbrio fiscal de longo prazo", destacou o texto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Assessores de Temer argumentam também que a mudança nas regras da aposentadoria traria mais estabilidade econômica, o que também pode se traduzir em votos, e teria um caráter simbólico de coesão que pode ser levado para a eleição.