Brasileiro Fernando Pinto vai deixar o comando da TAP

Brasileiro Fernando Pinto vai deixar o comando da TAP

Sai da presidência executiva da companhia aérea de bandeira Fernando Pinto, há 17 anos no cargo; entra Antonoaldo Neves, de 42 anos e igualmente com dupla nacionalidade - brasileira e portuguesa. A notícia foi avançada esta manhã pelo semanário Expresso.

Sobre a proposta dos acionistas da Atlantic Gateway de Antonoaldo Neves tornar-se CEO da TAP, após a aprovação em assembleia-geral no próximo dia 31, Fernando Pinto manifestou o seu entusiasmo e contentamento.

Anteriormente Antonoaldo Neves estava participando do no conselho da aérea portuguesa TAP. "E irei acompanhar esse crescimento de perto, uma vez que continuarei ligado à companhia nos próximos dois anos enquanto assessor da Tap", afirmou o executivo, na carta que conta com 15 parágrafos. Começou em finais de Agosto, lançada por Trey Urbahn, que foi nos primeiros tempos o principal homem de confiança de David Neeleman da TAP, ao ponto de ser a ele que todos os gestores de áreas operacionais tinham que reportar e que depois da chegada de Antonoaldo Neves à companhia e de o substituir como Chief Commercial Officer manteve-se no topo da gestão executiva, como Chief Strategy Officer (clique para ler: Trey Urbahn vai manter-se na TAP como Chief Strategy Officer).

Na missiva, Fernando Pinto diz que é com "grande orgulho" que comunica a sua saída "em breve" da direcção executiva da TAP, onde esteve 17 anos e onde vai permanecer como assessor "nos próximos dois anos". "Não teria conseguido fazê-lo sem cada um de vós, de todos, os que já cá estavam quando cheguei e de todos os que foram entrando e que vi crescer profissionalmente com o passar dos anos, tal como a companhia", diz o gestor brasileiro. Foram 15 anos de sobrevivência. "É a pessoa certa, e pela qual tenho grande admiração", garante o dirigente, recordando que convidou o agora seu sucessor para "ajudar no programa de crescimento" lançado há dois anos. "Soube guiar a companhia num período em que sobreviver era o grande desafio e fê-lo com uma estratégia inteligente de reposicionamento do hub de Lisboa e de crescimento, com novas rotas e uma posição de liderança, designadamente entre a Europa e o Brasil". "O meu sentimento hoje é de absoluta realização profissional e pessoal".

O Ministério do Planeamento e das Infraestruturas informa que "vai propor a recondução", através da participação da Parpública na empresa, do conselho de administração presidido por Miguel Fransquilho, e também composto por Ana Pinto Silva, António Menezes, Bernardo Trindade, Diogo Lacerda Machado e Esmeralda Dourado, durante a próxima assembleia-geral da TAP, marcada para 31 de janeiro.

"A privatização da empresa, concretizada há dois anos, permitiu iniciar um novo ciclo na TAP. De missão cumprida. A empresa está no bom caminho e sinto-me plenamente realizado", exaltou Fernando Pinto no comunicado.

Segundo a companhia, as rotas europeias foram as que mais contribuíram para os valores obtidos, registando, no total dos 12 meses, 8,7 milhões de passageiros, mais 22% que em 2016. A empresa voa para 85 destinos, em 35 países. A companhia fechou o ano passado com mais de 14 milhões de passageiros transportados, o que significa um crescimento de 20% face ao ano anterior.