Ministro do STF revoga prisão domiciliar de Andrea Neves, irmã de Aécio

Ministro do STF revoga prisão domiciliar de Andrea Neves, irmã de Aécio

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), reverteu a prisão domiciliar da irmã do senador Aécio Neves (PSDB/MG), Andrea Neves.

Ao STF, Mendherson alegou excesso de prazo da custódia preventiva, que já perduraria por 183 dias. Na decisão, publicada nesta quinta-feira (7/12), o ministro suspende ainda a obrigatoriedade do uso de tornozeleira eletrônica. Além da mulher, outros dois investigados no processo também serão liberados.

"Conforme ressaltado, tem-se medidas a revelarem constrições projetadas no tempo, incluindo o recolhimento domiciliar, o qual ganha contornos de prisão mitigada".

"Afasto as medidas implementadas". Gravado por Joesley em março deste ano, o tucano teria pedido R$ 2 milhões ao empresário. "Devem os requerentes indicar as residências detidas - caso ainda não o tenham feito -, nelas permanecendo, informar eventual transferência, atender aos chamamentos judiciais e adotar a postura que se aguarda do homem médio, integrado à sociedade", completou.

A decisão se estende ao ex-assessor parlamentar Mendherson Lima, também acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de envolvimento em esquema de propina paga a políticos pelo grupo JBS.

Andrea, Frederico e Mendherson são investigados junto a Aécio por suposta prática de corrupção, organização criminosa e obstrução à Justiça. Primeiramente, o valor foi solicitado por Andréa Neves. Houve um encontro entre Aécio Neves e Joesley Batista no Hotel Unique, em São Paulo, registrado em áudio. As investigações apontaram que os valores recebidos foram parar na conta da empresa Tapera Participações, cujo sócio majoritário é Gustavo Henrique Perrela, filho do senador Zezé Perrela.