PF e Receita cumprem mandados contra políticos e empresários do Estado

PF e Receita cumprem mandados contra políticos e empresários do Estado

Parte dos recursos teria sido recolhida em São Paulo e levada em caixas e mochilas por um suposto operador do peemedebista.

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (14) a quinta fase da Operação Lama Asfáltica, batizada de Papiro de Lama.

O novo presidente do diretório estadual será o ex-governador André Puccinelli.

A nova fase da investigação decorre da análise dos materiais apreendidos em fases anteriores, relacionado com fiscalizações, exames periciais e diligências investigativas.

"Ivanildo explicou que no inicio das operações recebia entre R$ 60 e R$ 80 mil e depois o pagamento chegou a R$ 200 mil, afinal tinha um papel fundamental de ir até São Paulo e trazer o dinheiro em espécie ou efetivar depósitos para pessoas definidas".

- Entende-se que o ex-governador comandava, tinha operadores e era beneficiário do esquema de lavagem que perdura até hoje - declarou o delegado da PF e diretor regional de combate ao crime organizado Cleo Mazziotti.

Segundo o delegado, Ivanildo recebia 30% dos valores repassados em propina no desvio de obras públicas do estado.

Outra informação apresentada pelo delator, mas que já era de conhecimento da equipe de investigação é a planilha com nome de beneficiados com os incentivos fiscais concedidos a JBS. Entre os nomes ventilados está o de André Puccinelli. Há registros, segundo investigadores, de pagamentos ilícitos até o ano passado. André Puccinelli Junior foi preso em um prédio próximo da residência do pai, onde está localizada uma empresa da família dele. A entidade comprava livros do filho do ex-governador, que faturava com direitos autorais. A operação também apura desvios de recursos de empresas ligadas ao governo de MS, entre elas a Águas Gariroba, concessionária responsável pelo abastecimento de água e coleta de esgoto em Campo Grande.

De acordo com a assessoria de imprensa do partido, "o novo diretório será formado com base no consenso entre as lideranças, contemplando as bancadas das representações municipais e da comunidade".

Estão sendo cumpridos dois mandados de prisão preventiva; dois de prisão temporária; seis de condução coercitiva; 24 de busca e apreensão; além do sequestro de valores nas contas bancárias de pessoas físicas e empresas investigadas. "Temos autos de infração na ordem de R$ 22 milhões sobre os quais foram pedidos recursos que seguem em julgamento na justiça", pontua.