Hugo Miguel não refere qualquer ameaça no relatório do Boavista-FC Porto

Hugo Miguel não refere qualquer ameaça no relatório do Boavista-FC Porto

Luís Gonçalves, o director-geral do FC Porto, está a ser investigado pelo Ministério Público (MP) por suspeitas de "corrupção activa na actividade desportiva". O dirigente portista foi suspenso pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) por dias dias, com base no relatório da equipa de arbitragem. "Nós sabíamos o que vinhas tu para aqui fazer, nós vamos conversar mais tarde, a tua carreira vai ser curta", avisou o dirigente portista. Agora o MP requereu à FPF todos os documentos relacionados com esse jogo, nomeadamente a nomeação dos árbitros, bem como as classificações dos árbitros na época passada e as notas de Tiago Antunes.

Este árbitro fez queixa às autoridades devido a estas e outras ameaças, no telemóvel e redes sociais, que recebeu nos dia que se seguiram a este jogo.

Esta segunda-feira, o Benfica, através da conta oficial do Twitter do Departamento de Comunicação, tinha denunciado alegadas ameaças de Luís Gonçalves ao intervalo do Boavista-FC Porto, algo que não consta no relatório de jogo do árbitro Hugo Miguel.

No rol de acusações, o clube da Luz aponta, ainda, a Luís Gonçalves "ameaças" a Humberto Teixeira, 4.º árbitro do encontro para a Taça da Liga, no Dragão, entre os azuis e brancos e o Leixões, que terminou empatado a zero.